Liderar para estabelecer o aprendizado contínuo

É insuficiente o aproveitamento dos talentos dos profissionais nas empresas, comprometendo seriamente o resultado. Estabelecer o aprendizado contínuo é fundamental para resolver esse problema no negócio, impactando positivamente no desenvolvimento humano, além de contribuir para uma sociedade melhor.

Líderes que assumem esse compromisso elevam o nível da inteligência coletiva nas empresas, incentivando o trabalho interfuncional. Ao fazerem isso, tornam-se imprescindíveis agentes estruturadores de uma Cultura de Resultados e Aprendizagem.

Analise o quanto ainda tende a ser embrionário o intercâmbio entre os profissionais de áreas diferentes, numa empresa. Há excelentes oportunidades de melhorias que podem transformar equipes ilhadas e inexpressivas em equipes interfuncionais engajadas.

A causa deste isolamento entre as áreas é sistêmica e a Cultura precisa assumir que a colaboração útil interfuncional é um comportamento esperado. A mudança necessária é patrocinada pelas lideranças que apoiam e reconhecem que o aprendizado contínuo otimiza o resultado do negócio.

A caminhada evolutiva inicia-se quando há respeito ao papel de cada um, independente da área e do status atribuído ao cargo. É importante que os profissionais percebam o quanto suas ações afetam a todos. Quando são capazes de criar vínculos virtuosos com outros ocupantes, estão aptos para compartilharem conhecimentos e experiências.

Exercer a liderança promovendo a união útil de todos, é mandatório e não mais uma opção. Proporcionar o aprimoramento dos talentos dos profissionais para responderem adequadamente aos desafios e às crises inerentes ao negócio, é imprescindível para a empresa se manter no mercado.

De DP para DHO nas PME (Pequenas e Médias Empresas)

O Desenvolvimento Humano e Organizacional (DHO) é uma necessidade urgente nas pequenas e médias empresas, porque o resultado financeiro e o desenvolvimento humano são interdependentes. Os resultados emergem dos talentos humanos e há muito potencial ainda adormecido no ambiente de negócios brasileiro.

Há um dilema a ser resolvido no Brasil: os empresários reconhecem que precisam de gestores e líderes mais preparados, por outro lado consideram uma despesa elevada investir em seu desenvolvimento. Ao mesmo tempo esses profissionais entendem que necessitam de mais conhecimento, mas poucos conseguem custear os próprios estudos.

Há um número grande de vagas não preenchidas no mercado por falta de profissionais de perfil gerencial mais bem preparados. Nesse dilema temos os profissionais querendo estudar para alcançarem posições melhores, ou pelo menos garantir sua empregabilidade, e empresários precisando de profissionais melhor preparados sem dispor de orçamento para seu desenvolvimento, lutando pela sobrevivência do negócio.

O conhecido DP – Departamento Pessoal – visa manter a empresa de acordo com as leis trabalhistas cumprindo as rotinas administrativas obrigatórias, contudo sem planejar o desenvolvimento dos profissionais.

Avançando, a área de RH – Recursos Humanos – identifica e contrata os profissionais com as competências básicas necessárias para os cargos, estabelecendo o salário condizente e orientado para o resultado.  Grande parte dos RH tem um orçamento insuficiente para o desenvolvimento desses profissionais, quando muito precisam decidir quem será desenvolvido e quem deverá esperar, independente da forte dedicação dos responsáveis por esta área.

Já uma área de DHO – Desenvolvimento Humano e Organizacional – é cada vez mais uma aliada estratégica para o sucesso do negócio. Orienta-se em promover uma educação continuada, ampliando a visão de mundo dentro e fora da empresa, dando acesso a novos conhecimentos especializados da área de atuação desses profissionais e conhecimento generalista complementar, facilitando a visão sistêmica, o aprimoramento profissional e humano.

A PME Academy desenvolveu uma solução para que as PME (Pequenas e Médias Empresas) consigam atuar ao modo de DHO, transformando o DP ou RH em DHO o mais rápido possível, para potencializar os esforços e os talentos. Como a plataforma PME Academy funciona online, via web, bastando ter usuário e senha cadastrados, os profissionais com acesso ficam livres para estabelecer seu próprio ritmo de estudo e aprendizagem, de onde estiverem e nos dias e horários que mais forem convenientes. E isso tudo a um custo totalmente acessível às PME, mesmo as menores empresas.

Com nossa solução, o importante Plano de Desenvolvimento Individual (PDI) pode ser facilmente elaborado através das áreas de conhecimento e atuação empresarial, que chamamos de verticais. Para cada vertical desenhamos trilhas de aprendizagem, desde uma básica até uma trilha expert. Cada trilha é composta por um conjunto de cursos, que por sua vez são entregues em aulas rápidas e objetivas.  Pelo artigo PME Academy online, solução para profissionais de gestão e liderança nas PME você tem uma visão detalhada dessa estrutura.

Este é o convite que fazemos aos DPs e RHs das PME, vamos juntos promover a transformação para DHO. Conte com o apoio de nosso time de especialistas, de várias áreas do conhecimento, para a sua empresa potencializar os resultados aprimorando as pessoas para o seu negócio prosperar.

Qual o nível da sua autoliderança na prática?

Quem lidera sabe que o autocontrole emocional é necessário para gerar confiança e influenciar positivamente as pessoas, visando um resultado melhor o mais rápido possível.

Você provavelmente já percebeu que inexistem condições ideais e decidir sob pressão é um padrão repetitivo, utilizando as informações disponíveis e um adequado nível de autodiscernimento. Mas quando a emoção tira você do sério as coisas complicam, certo?

Primeiro é importante saber que o autocontrole é muito diferente de reprimir as emoções. É a capacidade de manter a organização mental, produzindo uma atitude capaz de manter o caos externo numa distância segura para permitir que o raciocínio se desenvolva com objetividade e clareza.

A capacidade de correr riscos calculados, mantendo o autorrespeito para respeitar e a competência para assumir as consequências, emerge da inteligência emocional desenvolvida ao longo da jornada evolutiva do profissional.

 É um processo importante e imprescindível o autoconhecimento para se liderar, sendo o verdadeiro poder no exercício da liderança. Um autopoder que supera o poder externo, encarando as situações desafiadoras para aprimorar o crescimento pessoal e coletivo.

A autoliderança no mundo profissional repercute no mundo pessoal e vice-versa. Funciona tal qual uma lente que identifica cada situação no seu devido contexto, analisando o melhor modo de atuar e identificar o caminho para solucionar o que for necessário.

Profissionais quando respondem para uma pessoa que exala autoliderança, demonstrando a capacidade de utilizar métodos de resolução de problemas sem atacar ou buscar culpados, aderem voluntariamente ao engajamento, influenciados pelo bom exemplo a ser seguido.

Desenvolver autoliderança é desenvolver a autoconscientização emocional, identificando o tipo de emoção que emergiu sem reagir instintivamente. É um desafio no início, pois a emoção é instantânea, sendo impossível ser insensível a ela.

No entanto, digerir uma emoção é um processo racional e os sentimentos que emergem após a emoção se estabelecer, precisam ser controlados pelo raciocínio, evitando produzir pensamentos que piorem o ambiente mental. Em resumo, é tirar a mente do piloto automático quando sentir qualquer desconforto emocional.

Fisiologicamente há uma alteração no metabolismo, devido a uma descarga na corrente sanguínea de substâncias produzidas no cérebro correspondentes à emoção sentida, atingindo órgãos específicos.

Há um tempo para a digestão destas substâncias pelo organismo. É nesta fase que quem lidera deve saber exatamente o momento de calar, dominando o instinto durante a descarga que estimula uma reação impensada. Dominar esta fase é o início da autoconscientização emocional.

Após, é possível o autogerenciamento emocional para decidir o modo e o momento de reagir. O cuidado nesta fase é evitar a ruminação mental, desconstruindo pensamentos que confirmem o incômodo emocional.

É assumir a humanidade acima da animalidade da mente, na prática da liderança. Quando se acessa a sala de comando da mente racional, a mente emocional se submete, independente de ser a que rege em milésimos de segundos.

E assim nasce a autoliderança, colocando o humano no controle de sua mente e a serviço do coletivo. O caminho para autorrealização pode ser muito agradável quando se compreende o próprio funcionamento.

Voltarei em breve com mais informações!

Lideranças preparadas para educar e vencer

Olá, sou a Elisete Pagano Coidealizadora e Conselheira Consultiva da PME Academy e responsável pelas verticais Liderança e Comportamento.

Estas verticais têm a função de educar continuamente os líderes para o exercício da liderança no dia a dia do negócio, considerando que nas pequenas e médias empresas ocorrem situações desafiadoras que exigem o crescimento profissional.

Percebe-se uma escassez de líderes mais bem preparados não por falta de talentos, pois talento existe em qualquer lugar, mas por insuficiente ou inexistente sistema de aprendizagem simples e eficaz para estes destacáveis profissionais com brilho no olho.

Geralmente o líder apesenta algum destaque natural no modo de se comunicar e de obter o resultado. Os primeiros passos de um líder ocorrem pelas qualidades pessoais, contudo é preciso identificar, ampliar e aprimorar estas competências ao longo do tempo.

Os passos mais avançados de um líder ocorrem quando aprende a selecionar as pessoas certas, valorizar o cliente e compreender que o lucro é produto da inteligência de todos aplicada ao negócio. E delegando pode desenvolver pessoas, desde que tenha autoconfiança suficiente para assumir novas responsabilidades.

Um negócio precisa de profissionais impulsionadores do desenvolvimento humano e organizacional. São indivíduos que buscam o conhecimento, usam a inteligência que possuem, são éticas, apresentam senso de urgência e automotivação para aprenderem mais sobre o negócio, as pessoas e sobre si mesmos.  Nem sempre receberam o apoio necessário e estão buscando um modo de irem adiante.

A PME Academy desenvolveu estas verticais Liderança e Comportamento para oferecer o desenvolvimento continuado a estes profissionais diferenciados, guiados pela certeza íntima de que podem mais.

Um líder demonstra integridade e automotivação independente das circunstâncias externas, dominando suas emoções e lapidando o raciocínio para encontrar as melhores soluções. Nas pequenas e médias empresas enfrenta tudo que for necessário,  sendo alguém que se estimula a partir de novos desafios com suportabilidade para correr riscos calculados e tomar a decisão cabível.

Foi para aprimorar estas pessoas e as que são lideradas por elas que a PME Academy criou as verticais Liderança e Comportamento.

Desejo o máximo proveito e até logo!

LinkedIn
YouTube
Twitter
Facebook
Instagram